Marcos MarinhoPor mais que seja sobrenome, é mera coincidência a minha paixão e semelhança com o mar em pleno crepúsculo, simples e sereno. 22 anos de diversas tentativas, até me encontrar no jornalismo; o prazer e o desejo de escrever vêm de família. Hoje meus sonhos se resumem em buscar nas fontes mais simplistas da humanidade, a alegria.

Ricardo CostaCurioso.

Thomás Bertho respira música desde criança; começou a tocar seus primeiros acordes no violão aos seis anos de idade. A fim de compreender um pouco mais o mundo em que vivemos, se jogou no universo da Geografia em 2017. Carrega dentro de si a ânsia de ser professor e de passar seus ideais a diante. A vontade de escrever vem como um sentimento novo e um tanto quanto desafiador. Guiado pelos versos de Cartola, Chico Science e Sabotage, é um grande admirador da miscigenação cultural brasileira.

Pedro Gabriel pensa, logo digita e compila. Desde pequeno possui uma curiosidade a respeito do mundo digital e as peças que o sustenta. Praticante de esportes, amante de videogames e apaixonado pela maior fonte de prazer do universo: comida.

Pedro Gabriel pensa, logo digita e compila. Desde pequeno possui uma curiosidade a respeito do mundo digital e as peças que o sustenta. Praticante de esportes, amante de videogames e apaixonado pela maior fonte de prazer do universo: comida.

Guilherme Weiler como estudante de economia, costuma errar as projeções da realidade individual e coletiva. Mas se esforça. Publicar no Veredas Críticas mostra a busca em compreender o empírico, em sua complexa totalidade, e estendê-lo ao próximo (assim como aprender), pois o aprendizado é algo constante e indispensável para mudar aquilo que nos salta desagradavelmente aos olhos. Os prazeres da vida o trazem o Corinthians, periodicamente, com uma cerveja em frente à tela, as músicas que dão trilha sonora à caminhada e, indispensavelmente, os amigos.