Corpolêncio

Foi na ausência da Palavra que vi meu corpo real.

ouvi nele o silêncio – ouvi-lo me pareceu quase ensurdecedor- semelhante ao da cadeira já surrada ao meu lado.


Não a cadeira Humana, como quando alguém cede lugar ou a ajeita ao semelhante num ato de bondade: pessoas e cadeiras.


Mas a cadeira indiferente a ela mesma.


E foi como estar confinado a um espaço ( usando palavras… por quais raios, se se trata do impossível, insisto em dizer ?) semelhante a distancia mínima que um nêutron possuiu antes de chegar ao coração de uma bomba.